Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Oh no! Books!

Livros, fotografia e viagens. (na verdade, é quase só livros)

Oh no! Books!

Livros, fotografia e viagens. (na verdade, é quase só livros)

Opinião: O Mestre e Margarita — Mikhaíl Bulgákov

Peguei neste livro sem saber bem ao que ia. Sabia que era meio louco e que tinha bruxas e um gato falante. Depois descobri que tinha um baile do diabo, a história da crucificação de Jesus Nazaré, um manicómio sempre cheio e uma história de amor.

E isto é só a ponta do icebergue. 

O Mestre e  Margarita, Mikhaíl Bulgákov.jpeg

No meio de uma história com imensas histórias, temos muitas outras coisas. 

Temos exemplos do egoísmo e da ganância dos homens. Momentos onde percebemos que quem faz o bem também pode fazer o mal e que quem faz o mal também pode fazer o bem — afinal, o que é o bem e o que é o mal? Percebemos o valor da liberdade e percebemos também que conseguimos sempre seguir em frente, de uma maneira ou de outra. Percebemos também que são as histórias que perduram e que ninguém as pode verdadeiramente tirar de nós.

 

O Mestre e Margarita é uma sátira, uma comédia e um retrato. É tão rico e complexo que é muito mais do que uma coisa. Tem um ângulo cristão onde dissecamos o bem e o mal. Tem uma interpretação política onde apontamos as hipocrisias que no dia-a-dia fingimos não ver. Tem também uma visão do ser humano envolto em arte (e em falhas) onde percebemos o poder que a arte tem no nosso ser. 

 

É uma história(s) que, apesar de grande, se lê bem. A escrita é leve e divertida. Os acontecimentos são fantásticos (leia-se absurdos) e dei por mim muitas vezes a pensar “mas como é que ele se lembrou disto”. É uma abordagem diferente do que costumo ler, aqui usa-se fantasia e comédia para tocar em temas bem sérios.

 

Confesso que em alguns momentos tive dificuldades em saber quem é quem — coisa que me acontece sempre em romances russos com muitas personagens (e aqui há TANTAS). Como não me relaciono com os nomes, é difícil perceber quem é quem. Felizmente, o autor era também fã de identificar as pessoas pelas suas características, o que me permitiu sempre voltar a apanhar o fio à meada. 

 

Um livro que me fez comprar o livro físico depois de o ter lido em formato ebook. Li em inglês, mas resolvi comprar a tradução portuguesa — quero voltar a lê-lo, com mais calma, e voltar a visitar aquele mundo onde tudo acontece e onde tudo pode acontecer.

 

Já leram? Se leram em português, gostava muito de saber que tradução escolheram. Eu optei pela da Nina Guerra e do Filipe Guerra, mas gostava de saber a vossa opinião 💛

14 comentários

Comentar post